Testemunhos

Alain Boucheron

Alain Boucheron

"Le regard de Maria João Bahia... "

Pour les dernières rassemblées dans cette expositio, Maria João Bahia nourrit son inspiration dún trésor inépuisable: la planète elle-même. Elle choisi d`observer les quatre éléments: léau, la terre, láir, le feu, de capter leur énergie et de la transmettre dans le langage esthétique qui est le sien.
Ansi, son regard est bien plus qu'un acte d'observation, c'est une ouverture aux vibrations de la matière et de la lumière. Avec l'or, les perles, le corail, elle fait naître des harmonies qui trouvent des résonances en chacun de nous.
Maria João Bahia est née pour des formes et des volumes. Dès l'âge de vingt ans, ele abandonnait les études universitaires pour entrer dans un atelier  de joiallerir. Et parce que sa sensibilité est universelle, elle a vite exposé dans de nombreux pays,  notamment aux Etats-Unis.
Rien n'est innocent, Maria João Bahia est une femme. Or les femme créatrices de bijoux sont rares. Certaines, como Jeanne Toussaint ou Gabrielle Chanel, ont marqué leur époque et continuent d'inspirer la joallerie contemporaine. Je me réjouis aussi que - homme ou femme - les authentiques créateurs aient la possibilité de sexprimer, avec l'appui de profissioneles et du public.
En tant que joaillier, un chose me frappe: ces pièces sont des objets précieux que l'on peut adirer en tant que tels, et mêmes temps ce sont des joyaux éminemment portables, par toute femme élegante et raffinée. Ces bijoux sont modernes, parce qu'ils son intemporels.
Le regard Maria João Bahia sur le nature est aussi un regard sur l'éternel féminin.


Hubert Guerrand-Hermés

​Hubert Guerrand-Hermés

"Le chemin est long du projet à la chose" disait Molière. 

 Pour les dernières rassemblées dans cette expositio, Maria João Bahia nourrit son inspiration dún trésor inépuisable: la planète elle-même. Elle choisi d`observer les quatre éléments: léau, la terre, láir, le feu, de capter leur énergie et de la transmettre dans le langage esthétique qui est le sien.
Ansi, son regard est bien plus qu'un acte d'observation, c'est une ouverture aux vibrations de la matière et de la lumière. Avec l'or, les perles, le corail, elle fait naître des harmonies qui trouvent des résonances en chacun de nous.
Maria João Bahia est née pour des formes et des volumes. Dès l'âge de vingt ans, ele abandonnait les études universitaires pour entrer dans un atelier  de joiallerir. Et parce que sa sensibilité est universelle, elle a vite exposé dans de nombreux pays,  notamment aux Etats-Unis.
Rien n'est innocent, Maria João Bahia est une femme. Or les femme créatrices de bijoux sont rares. Certaines, como Jeanne Toussaint ou Gabrielle Chanel, ont marqué leur époque et continuent d'inspirer la joallerie contemporaine. Je me réjouis aussi que - homme ou femme - les authentiques créateurs aient la possibilité de sexprimer, avec l'appui de profissioneles et du public.
En tant que joaillier, un chose me frappe: ces pièces sont des objets précieux que l'on peut adirer en tant que tels, et mêmes temps ce sont des joyaux éminemment portables, par toute femme élegante et raffinée. Ces bijoux sont modernes, parce qu'ils son intemporels.
Le regard Maria João Bahia sur le nature est aussi un regard sur l'éternel féminin.


João Soares

João Soares

Ministro da Cultura

Para um objecto se elevar à categoria de jòia não lhe baste ser feito de metal nobre e pedrarara. A sua excelência resulta, fundamentalmente, do processo criativo capaz de o transformar num artefacto sublime.

Maria João Bahia é uma dessas artistas cujo talento transfugura os materiais que trabalha, a ponto de parecerem tocados pela graça. A sua obra, plena de preciosas minudências de artifice verdadeiro e revelação das virtudes criadiras, pode agora ser apreciada também neste livro, que se pretende como que um albúm de recordações, capaz de fixar o nosso olhar em peças cuja beleza vai, certamente, viajar pela consideração do maravilhoso.

no livro 'Os Quatros elementos da Natureza'


Maria Calado

Maria Calado

Vereadora da Cultura da CM Lisboa

O percurso artístico de Maria João Bahia marca, de uma forma muito especial, o panorama das artes decorativas e o design comtemporâneo. Através de uma obra vaste e diversificada, esta criadora de objectos sempre belos e surpreendentes - tem provado que a inovação artística passa tanto pela inovação formal como pela capacidade de valorizar os materiais e as técnicas.

A  partir dos materiais tradicionais da joalharia - ouro e a prata - inventa, de modo subtil, novas soluções estéticas, onde a dimensão simbólica está bem presente. Com a visão e a atitude discreta dos grandes artistas, estabelece as pontes necessárias com outras áreas e com os que, como ela, têm a visão de que a arte é não só uma maneira de fazer, mas também uma maneira de pensar e de agir sobre o mundo.

Por isso, uma obra que permita connhecer melhor todo este processo é um instrumento decisivo para a cultura e a arte portuguesa. Este livro, pelo conteúdo que encerra pela forma como está estruturado é, em si mesmo, mais uma obra de arte, um belo objecto de Maria João Bahia. As imagens traduzem o sentido de uma relção profunda com a natureza e a vida. É, pois, com alegria que a Câmara Municipal de Lisboa se associa a esta iniciativa, na certeza de que os caminhos da arte fazem o futuro da cidade.

no livro 'Os Quatros elementos da Natureza' 


Maria Inês Viegas

Inês Morais Viegas

"Uma tradição continuada com talento e inovação"  

Conheci Maria João Bahia através do seu trabalho artístico, delicioso conjunto de sinais encantantórios que contêm a magia e o valor plástico de uma arte secular - mágica, simbólica e decorativa - que a Autora recria, dando-lhe uma expressão singular.

Maria João Bahia inspira-se na tradição da joalharia e de uma ourivesaria portuguesas para desenhar o seu próprio percurso, assente em novos vocábulos, explorando a riqueza dos materiais nobres. Todos os objectos estão estreitamente ligados ao seu talento e sensibilidade, pela forma como trabalha os metais e as pedras, misturando-os cromaticamente com a madeira, os cristais, as pérolas ou o osso, numa relação íntima entre a peça e o fim a que se destina. Impressiona-me a autenticidade e a aprendizagem simples do seu trabalho, através de um olhar indiferente ao supérfulo que a Autora revela.

As jóias fascinam quem as contempla, recria, usa colecciona, tal como se pretende comunicar através destes preciosos e cativantes testemunhos. Escolhidas a partir dos critérios da originalidade e da criatividade, associados aos 4 elementos da Natureza - Água, Fogo, Terra, Ar -, estas imagens sublinham a riqueza da expressão da arte de Maria João Bahia, graças ao seu profissionalismo, talento e dedicação, apresentado-as sob uma perspectiva cultural e intelectual.

Os objectos são intemporais, pela versatilidade das suas formas, mas reveladores de um tempo presente, caracterizado pela revalorização das artes decorativas. A joalharis representauma das mais singulares expressões artísticas em Portugal e o trabalho de Maria João Bahia traduz a sua melhor contemporaneidade, reflexo de uma época e de uma sociedadee que compreende o valor histórico, social, cultural e económico desta arte, para além da moda, da devoção e do deslumbramento.

no livro 'Os Quatros elementos da Natureza' 


Simonetta Luz Afonso

Simonetta Luz Afonso

"Maria João Bahia,  A magia das pedras e das cores" 

Maria João Bahia é uma artista multifacetada e completa que tem tido uma evolução e um percurso muito coerentes e interessantes desde que se iniciou no mundo da criação das joias e dos objectos de arte em 1985, ano em que monta a sua primeira Oficina.

Apesar de ter nascido num ambiente artistico marcado pela figura de seu Pai, o Escultor Charters de Almeida, quis fazer "o caminho das pedras", paralelamente a uma iniciação ao Direito, não desdenhando a frequencia de Oficinas conceituadas de joalharia e ourivesaria, recebendo com empenho, inteligência e humildade os ensinamentos dos velhos Ourives com quem trabalhou lado a lado e ,que lhe transmitiram saberes seculares e pequenos "segredos",que ela tão bem sabe utilizar na materialização da sua criação, que faz dela peças únicas. 

Sentem-se e reflectem-se na obra da Artista os seus vastos conhecimentos e o domínio das tecnicas da ourivesaria e joalharia que ela põe ao serviço da sua criatividade sem limites ,conseguindo materializar os seus sonhos, executando-os ela própria com um rigor formal, uma qualidade tecnica e estetica, uma leveza, uma perfeição e uma elegância dignas da antiga tradição dos grandes Ourives portugueses, sobejamente reconhecida internacionalmente.

Maria João Bahia é também uma profunda conhecedora dos materiais que utiliza, dos metais nobres e das pedras preciosas ou semi-preciosas , cujas formas e cores tão bem conjuga na sua criação, convocando a luz sobre os seus objectos e fazendo-os irradiar essa mesma luz: visitar a sua Oficina é como entrar na caverna do Alibaba do imaginario da nossa infância, transportando-nos a um mundo de magia das pedras e das cores!

As suas peças, quer sejam joias, trofeus, medalhas, objectos do quotidiano, ou acessórios são verdadeiras esculturas ,de uma modernidade intemporal e de uma qualidade estetica e elegancia de que apetece apropriar-se  para usar e para deleitar o olhar, o nosso e o dos outros....

Comemorações do Ano de Portugal no Brasil​ 


Nuno de Mello Bello

Nuno de Mello Bello

Cônsul-geral de Portugal, Rio de Janeiro

É com muito prazer que no quadro das comemorações do Ano de Portugal no Brasil agora, associo o Consulado Geral de Portugal no Rio de Janeiro à exposição/mostra “Entre a Terra e o Céu” da prestigiada joalheira portuguesa Maria João Bahia.

 O Ano de Portugal no Brasil agora - iniciativa que visa sobretudo representar uma oportunidade para atualizar imagens recíprocas, promover  culturas e economias de ambos os países e estreitar os vínculos entre as duas sociedades - tem nos últimos meses, proporcionado ao público do Rio de Janeiro a possibilidade de assistir a uma multiplicidade de representações culturais portuguesas e assim conhecer e consciencializar-se do dinamismo cultural nacional.

 A exposição/mostra “Entre a Terra e o Céu” da joalheira Maria João Bahia enquadra-se perfeitamente neste objectivo, sendo mais uma oportunidade para mostrar no Palácio de São Clemente o que de melhor e mais moderno se faz em Portugal num ofício de tradição imemorial, como a joalharia.


Miguel Horta e Costa,

Miguel Horta e Costa

Comissário-Geral de Portugal para o Ano de Portugal no Brasil

A realização do Ano do Brasil em Portugal e do Ano de Portugal no Brasil foi iniciada no passado dia 7 de Setembro e terminará a 10 de Junho de 2013. Este importante evento constitui uma oportunidade excecional para atualizar as imagens recíprocas, promover as culturas e as economias de ambos os países e estreitar os vínculos entre as sociedades civis.

O Ano de Portugal no Brasil traduz-se numa visão do Portugal moderno, criativo e inovador aliando as vertentes cultural e económica. Esta iniciativa foi concebida como uma parceria entre entidades e agentes públicos e privados dos dois lados do Atlântico.

A exposição «Entre a Terra e o Céu», que apresenta no Rio de Janeiro a arte da joalharia portuguesa pelas mãos de Maria João Bahia, enquadra-se precisamente nesse espírito.

Nestas peças, de uma das mais originais autoras de joias portuguesas, está também um pouco desse Portugal moderno, talvez menos conhecido da generalidade dos brasileiros, que estamos a procurar mostrar neste Ano de Portugal no Brasil. Esta exposição é sobretudo um convite a descobrir a arte da joalharia moderna portuguesa.


Jorge Quintas

Jorge Quintas

Nelson Quintas Telecomunicações

Conheço a Maria João há muitos anos e sempre admirei o seu talento artístico, o seu sentido de arte elegante e tradicional. A Maria João tem o dom de transformar, de criar, quase do nada, uma obra de arte.

A sua linguagem artística reflecte a sua visão do mundo e a natureza é a sua fonte de inspiração. As suas peças são objectos preciosos que admiramos enquanto peças de arte e as suas joias são modernas e como diz Alain Boucheron “são um olhar sobre a natureza e também sobre o eterno feminino”. 
As suas joias feitas de pedras simples ou preciosas, de ouro ou prata, usando corais, osso ou madeira, são intemporais e têm uma relação íntima com o fim a que se destinam.
O seu profissionalismo e talento têm-lhe granjeado os maiores louvores e assim é escolhida para criar peças que dão ao mundo uma visão do que de melhor se faz na joalharia Portuguesa contemporânea. As suas várias medalhas, o relicário de São Vicente oferecido ao Papa Bento XVI quando da sua visita a Lisboa, os Globos de Ouro da SIC/CARAS, a colecção de joias e pratas, encomenda da Ordem de Malta de 1998 e outras tantas peças, são o reflexo do reconhecimento público da sua arte requintada e da sua criatividade.
A arte da Maria João Bahia é forte, elegante, tradicional e sempre actual.


João da Câmara

João da Camara

Embaixador de Portugal em Luanda

Conheço a Maria João Bahia há muitos anos. Por causa da minha vida nómada passámos muito tempo sem nos encontrarmos. Contudo nunca a perdi de vista e à distância fui acompanhando a evolução da sua carreira artística.

Tendo por base um enorme talento e um evidente bom a Maria João Bahia foi ao longo do seu percurso profissional criando um nome e uma marca de grande qualidade que é hoje uma referência não só em Portugal mas igualmente no estrangeiro.
Como Embaixador de Portugal em Angola só posso congratular-me com a possibilidade que nos é oferecida de ter em Luanda as criações da Maria João Bahia. É um grande privilégio para a Embaixada e para o seu Centro Cultural poder associar-se a uma exibição de peças de um valor artístico tão elevado.
Estou certo que com a arte da Maria João Bahia o melhor de Portugal vai estar representado em Luanda.